segunda-feira, 12 de novembro de 2012

al berto / lunário

"(...) Um dia, quando a minha memória de homem fugitivo alcançar a idade de um deserto, debruçar-me-ei num poço e tentarei beber o tempo esquecido do teu rosto. Estarei lucidamente morto, eu sei, e os meus olhos já não prenderão a adolescência, nem as imagens que dela se soltaram. E a minha cegueira surgirá cercada por frondosas árvores e pássaros, mas não os verei mais. O rosto, o teu rosto, já não conseguirá atrair-me para o fundo circular do poço. O tempo de sedução terminou. Terás de me tocar, terás de trocar o tacto dos olhos pelo tacto dos dedos. Apenas persistirá o jogo, a cumplicidade, e uma ténue vibração do corpo que se perdeu contra o meu corpo. Por isso me ergo daqui e atravesso estas imagens coladas às paredes, e ao atravessá-las descubro que estou perdido, e condenado também a perder-te. Levanto-me do fundo de mim mesmo e abandono a casa, os bens que herdei, e vou pela memória daqueles vestígios que se me cravaram no interior das pálpebras, mas não semeio nem recolho nada. Apenas persigo os passos que outrora abandonei pelas cidades onde te procurei, antes mesmo de saber que existias. E perco-me, perco-me onde a sombra dos corpos é um sudário de melancolia sobre o mar. Mas, ainda aqui estou, quase vivo, atento ao movimento perene de tuas mãos sobre o meu corpo. E sem bússola, nómada até aos ossos, sigo pela noite onde aportei, e não reconheço a casa que me destinaram para morrer. (...) As cidades seduziram-me com imagens de abismos subterrâneos, vertigens de esperma que se vende, compra e troca. E sonhar com essas cidades de medo e fascínio é ainda uma maneira de saciar parte do desejo que me assola. Mas já só existo no que de mim se cristalizou nas palavras, e é tão pouco... De imobilidade em imobilidade a vida avançou, avançou por ininteligíveis iluminações. Hoje, neste fim de século, desloco-me sem saber como dentro das fotografias que revestem as paredes deste quarto. E é-me indiferente estar aqui. Sempre que posso fujo, fujo no olhar que cegou o meu. Porque eu fujo e vou com tudo aquilo que me chama e toca. Vou com o azul dos olhos do marçano ali da esquina, vou com as folhas das árvores no outono da minha rua, vou com a noite à procura da manhã sobre o rio. Vou pelos arranha-céus acima e contemplo dos altos terraços o sono esbranquiçado dos mortos. Vou com o teu corpo que me desgasta a memória doutros corpos e me transforma em esquecimento... vou, vou sempre, pela humidade dos cardos presos em tua boca. Abro depois as mãos, e não há mar nas suas linhas, nem barcos que venham descansar na ponta dos dedos, e a linha do coração - repara - é uma calosidade. E por uma noite da imensa cegueira, quando já morar definitivamente em ti, abandonar-te-ei... à hora dos répteis recolherem o calor nas fissuras do tempo. Intacto, irei à procura do merecido repouso." - al berto, lunário 1999

Sem comentários:

Enviar um comentário